Skip to content

Entenda o que é a Geração Distribuída

Geração Distribuída, ou GD, é um termo usado para a geração elétrica realizada junto aos consumidores, no local de consumo ou em local próximo, e, apesar de parecer recente, ela está presente no Brasil desde a primeira metade do século, momento em que a energia era gerada localmente.

Com o barateamento na geração de energia de grandes centrais a partir da década de 40, a necessidade e interesse da população na Geração Distribuída diminuíram, reduzindo a importância e incentivo nesta prática.

Foram as crises do petróleo e o fim do monopólio da geração de energia que reinseriram, a partir da década de 90, a Geração Distribuída como opção para redução de custos.

Em 2004, com a Lei 10.848/04, a GD é mencionada como uma fonte de geração de energia e, desde abril de 2012, através da Resolução Normativa ANEEL nº 482/2012, o consumidor brasileiro passou a ter como opção gerar sua própria energia e ainda fornecer o excedente para a rede distribuidora local, dando início à micro e minigeração distribuída.

Em março deste ano, o Brasil ultrapassou a marca de 11 gigawatts (GW) de potência instalada em micro e minigeração distribuída de energia elétrica.

Como funciona o processo de geração distribuída?

A GD no Brasil funciona a partir de créditos em um sistema conhecido como Net Metering. Após descontado o próprio consumo, o consumidor-gerador recebe um crédito na sua conta pelo excedente de energia gerada e inserida na rede, tendo até 60 meses para usá-lo, de acordo com a Resolução Normativa 687/2015.

Esta sobra, entretanto, não pode ser comercializada, apenas deixada como “backup”, para quando a energia local não for suficiente para as demandas do consumidor-gerador.

A Geração Distribuída inclui:

  • Co-geradores
  • Geradores que usam como fonte de energia resíduos combustíveis de processo;
  • Geradores de emergência;   
  • Geradores para operação no horário de ponta; 
  • Painéis fotovoltáicos;
  • Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCH’s.

Para quem é a geração distribuída?

De acordo com as regulamentações da ANEEL, a microgeração distribuída é definida como um sistema de geração de energia elétrica, com potência até 75 kW, e que utilize cogeração qualificada ou fontes renováveis. Já a minigeração deve ter potência entre 75 kW e 5 MW.

Dentro destas definições, todos os consumidores de baixa e média/alta tensão podem participar de projetos de geração distribuída. Quando falamos em geração distribuída na unidade consumidora, os exemplos mais comuns são a instalação de painés fotovoltaicos para gerar energia solar.

Apesar da GD tornar possível obter uma maior eficiência energética, nem todos os consumidores têm a opção de implementá-la nos seus negócios e residências por questões financeiras e de infraestrutura.

Qual a solução para quem não consegue ter Geração Distribuída?

Duas das principais vantagens da GD para o consumidor são a redução de custos com energia e a utilização de uma energia renovável.

Tudo isso você encontra na Tyr Energia, que agrega as cargas dos clientes e, assim, possibilita que condomínios, pequenos negócios e empresas possam consumir energia mais barata do Mercado Livre e 100% renovável!

Além disso, com o medidor inteligente os clientes conseguem acompanhar o seu consumo em tempo real pelo aplicativo, controlando seus gastos e economizando ainda mais.

A Tyr oferece todos esses benefícios sem dor de cabeça, sem custo de investimento, sem custo de manutenção, com proteção à variação de consumo, sem necessidade de garantia financeira e muito mais!

Clique aqui e conheça a solução ideal para você.